Botox no tratamento de Rugas

Botox no tratamento de Rugas

Hoje, já não é segredo que existe no mercado da estética um procedimento que consegue produzir ou, pelo menos, contribuir para verdadeiras melhorias no aspeto envelhecido da face.

Rugas

Para esse envelhecimento contribui de maneira substancial a ação contínua dos músculos a nível da pele. Esta ação provoca repuxamentos que vão dar origem às rugas e rídulas com o decurso do tempo. falamos das rugas frontais, glabelares, “pés de galinha”, “rugas de coelho”, rugas e sulcos naso-genianos, rugas e sulcos labiais superiores, chamadas “código de barras”, sulcos lábio-mentonianos “ ou rugas de marioneta”… Todas elas são efeitos colaterais da mímica.

Para quem as tem e as observa no decurso dos dias e ao longo dos anos, pode ser apenas e orgulhosamente um troféu do percurso de uma vida. Para outros são marcas que terão de ser mascaradas e tornadas menos visíveis pois ferem quem diariamente em si, as observa.

Toxina Botulínica no tratamento de rugas

Como dizia, hoje em dia já é possível, graças à ação do produto que é conhecido de forma popular por “botox” (mas que é verdadeiramente uma das formas da proteína sintética produzida pela bactéria Clostridium Botulinum (toxina botulínica)), em pequenas doses, inibir a condução da informação de contração muscular e, desta forma, anular o repuxamento da pele onde essas fibras se inserem, evitando a formação das referidas rugas.

Potenciais consequências do uso da toxina botulínica

O medo que pode existir e que está popularmente associado ao uso da toxina botulínica é infundado quando nas mãos de um profissional que sabe como a utilizar. Já no uso da mesma por mãos inexperientes, contribuiu e resultou, no passado, para muitos e maus resultados. Com bom uso, a toxina é normalmente bem tolerada, com uma ação mais ou menos rápida (conforme a pretensão do médico) e o tempo de atuação vai diminuindo gradualmente ao longo do tempo.

Com aplicações de forma regular, ao contrário do que vulgarmente se diz, a ação torna-se mais prolongada já que os músculos onde atua se vão tornando mais fracos, a não ser que se ganhem anticorpos contra a mesma.

O seu mau uso ou colocação indevida pode produzir o aspeto de uma paralisia facial ou sequela de AVC mas, felizmente, são raras as situações.

Os danos colaterais são os resultantes das picadas que são efetuadas localmente e que, como qualquer outra injeção, pode induzir dor e edema nos locais onde é injetado. Em algumas situações picar um vaso pode originar derrame ou hematoma.

Estes danos podem ser mascarados ou encobertos com recurso ao uso de maquilhagem. Esta pode ser colocada de imediato sobre as picadas, com o cuidado de não massajar com pressão, até 4 a 8 horas após o procedimento.

Outras aplicações

Além do seu uso para a diminuição das rugas, também se pode utilizar nos casos de: sudação excessiva (hipersudorese) – axilas, palmas das mãos e pés, no blefarospasmo, correção do estrabismo, bexiga neurogénica, contratura dos esfíncteres, tratamento de cefaleias….

No mercado existem múltiplos nomes comerciais do mesmo tipo de toxina dos quais o Botox é um dos mais utilizados e a sua dosagem é variável, sendo decisão do médico a sua diluição e a forma e dose de colocação.

 

Ficou com dúvidas? Deseja efetuar uma consulta com o nosso cirurgião plástico? Entre já em contacto connosco!

Mais artigos 

TRANSPIRAÇÃO OU HIPERIDROSE?

CIRURGIA PLÁSTICA – A SUA IMAGEM CORPORAL

QUEDA DE CABELO: MITOS E VERDADES

 

 

Dê uma resposta